Projecto Olímpico

O Comité Olímpico Internacional (COI) comunicou a todos os Comités Olímpicos Nacionais (CON) o sistema de classificação aprovado para o Surfing Olímpico em Tokio 2020.

 

Este sistema assegura a participação dos melhores surfistas profissionais do mundo, além de oferecer as mesmas oportunidades de participação para os surfistas de todas as partes do mundo de se classificarem para as Olimpiadas.

 

Os elementos principais do sistema de classificação são os seguintes:

  • 20 homens, 20 mulheres.
  • Um máximo de 2 surfistas por género por Comité Olímpico Nacional (CON).
  • A classificação é nominal, como tal será obtida de forma individual.
  • De acordo com as regras do COI, os eventos de classificação foram definidos em ordem hierárquica de classificação, como se explica más baixo;
  • Se dois surfistas do mesmo género se classificarem por meio de um evento de classificação de primeira ordem hierárquica, então esse CON não poderá classificar mais surfistas desse género por meio de eventos de classificação inferiores na ordem hierárquica.
  • Todos os surfistas selecionados pelas suas respectivas Federações Nacionais para participar nas Equipas Nacionais terão de participar nos ISA World Surfing Games 2019 e 2020 para ser elegíveis para a classificação Olímpica. Os requisitos finais de elegibilidade estão ainda em revisão pela ISA e o COI.

 

Ordem Hierárquico de Eventos de Classificação:

  1. World Surf League Championship Tour 2019: Primeiros 10 homens e 8 mulheres elegíveis.
  2. ISA World Surfing Games 2020: Primeiros 4 homens 6 mulheres elegiveis.
  3. ISA World Surfing Games 2019: 4 homens e 4 mulheres selecionados com base no seu continente. Primeiros surfistas elegíveis, por género, de África, Ásia, Europa e Oceanía.
  4. Jogos Panamericanos 2019: Primeiro homem e mulher elegíveis na competição de Surf.
  5. Nação anfitriã: Está garantida a classificação de um homem e uma mulher da nação anfitriã, Japão, excepto se já tenham obtido a classificação pelas hieráquias anteriores. Se os atletas do Japão se classificarem através das hierarquias anteriores, estas vagas serão alocadas aos primeiros surfistas elegíveis do ISA World Surfing Games 2020

 

Representação de Países para Atletas sem CON:

Conforme a Carta Olímpica, os surfistas apenas podem representam um Membro da ISA de territórios com a representação num Comité Olímpico Nacional (CON). Membros da ISA sem representação num CON (Channel Islands, Inglaterra, Havai, Escocia, Tahiti, Gales).

 

Os surfistas que que tenham representado um Membro da ISA sem representação num CON poderão ser selecionados para para representar um Membro da ISA a representação num Comité Olímpico Nacional (CON) no seu território (Channel Islands, Inglaterra, Escocia, Gales: Grã Bretanha, Tahiti: França Havai: EUA).

 

A ISA recomenda aos Membros da ISA sem representação num CON que se coordenem com o Membro da ISA com representação num Comité Olímpico Nacional (CON) no seu território, de forma a garantir que todos os atletas estejam devidamente conscientes dos critérios de seleção para participação na Equipa Nacional nos Eventos de Classificação.

 

Estes atletas poderão regressar a representar a suas antigas Federações Membros ISA em eventos após a Classificação Olímpica. Uma solicitação oficial de mudança de Nação, não é necessária a menos que a intenção do surfista seja representar a Federação Membro da ISA de territórios com a representação num Comité Olímpico Nacional (CON) indefinidamente.

 

Prova de Nacionalidade – Mudança de Nação:

Para os Jogos Olímpicos, será aplicada a Regra 41 da Carta Olímpica sobre a Nacionalidade dos Competidores, assim como as regras da ISA. Um competidor pode representar um país do qual detenha um documento de identificação nacional emitida pelo governo nacional do país. O documento de identificação nacional deve mostrar a nacionalidade do país. Uma vez que um competidor tenha representado um país em qualquer Jogos Olímpicos, Campeonato Mundial ISA, campeonato continental reconhecido pela ISA, evento com a ISA (evento ISA), não poderá representar futuramente outro país em eventos ISA.

 

O Comité Executivo da ISA pode considerar excepções especiais. Para isto a Federação Nacional deverá submeter, à ISA, um Pedido formal de Mudança de Nação.

 

Brevemente a ISA, irá enviar às Federações Nacionais um relatório detalhado relative ao processo de Cambio de Nação.

 

Elegibilidade dos Atletas:

De acordo com a política do COI, todas as Federaciones Internacionais têm a oportunidade de criar “Critérios Adicionais de Elegibilidade da FI”, o mesmo se aplicou com a ISA.

 

Assim, de acordo com o COI, determinou-se que para participar nos Jogos Olímpicos de Tokio 2020, todos os atletas devem:

  • Ter a sua situação regularizada junto das suas as Federaciones Nacionais (FN) e a ISA de acordo com o Livro de Regras da ISA vigente no momento dos Jogos Olímpicos Tokio 2020.
  • Cumprir com os requisitos mínimos de participação nos Campeonatos mundiais de Surf Junior da ISA (quando aplicável) e nos World Surfing Games da ISA de 2019 e 2020

Relativamente a este último ponto, os detalhes exatos de estes critérios de elegibilidade, estão sob revisão pelo COI e o Comitê Executivo da ISA e serão divulgados em Maio de 2018.

 

A ISA, reitera a necessidade de todos os surfistas estarem disponíveis para fazer parte das Equipas Nacionais para os World Surfing Games de 2019 e 2020, desde que selecionados para participar. O não cumprimento deste requisito significará a Inegibilidade do surfista nos Jogos Olímpicos.

 

O Sistema de Classificação Completo para o Surfing Olímpico em Tokio 2020:

FINAL-2018-03-16-Tokyo-2020-Qualification-System-Surfing-eng